Notícias

Associação de Surdos do Alto São Francisco participam de reunião da Câmara

DSC 1521

 DSC 1521 Durante toda reunião os deficientes auditivos contaram com intérpretes

Na reunião da última segunda-feira, dia 20, membros da Associação de Surdos do Alto São Francisco participaram da reunião da Câmara e fizeram uso da Tribuna da Casa a convite do vereador Cabo Cunha que solicitou a Mesa Diretora um intérprete para as reuniões da Câmara, visando atender a Lei de Acessibilidade a este público.

A reunião foi acompanhada por deficientes auditivos que tiveram o apoio de intérpretes durante toda reunião. 

DSC 1569

Em sua fala, o presidente e fundador Sérgio Augusto, contou que a Associação dos Surdos do Alto São Francisco (ASASF), tem sua sede em Arcos e atende também as cidades de Formiga, Lagoa da Prata, Bambuí e Iguatama. “Muitos surdos não se desenvolvem porque não tem a oportunidade e não são estimulados durante a sua vida. As famílias, até por desconhecimento deixam os surdos sem o contato com os estímulos e eles se tornam pessoas limitadas. O que fazemos é oferecer a eles um pouco de conhecimento e é surpreendente o que eles conseguem fazer”, ressaltou.

Jaqueline Mendonça, Psicóloga da ASASF conta que existem surdos que não se desenvolvem, porque não são oferecidos a eles a chance de conhecer e conviver com outas pessoas com as mesmas limitações. Por isso, fazemos reuniões em outras cidades, palestras, oficinas e passeios.

A Comunidade Surda conquistou o reconhecimento nacional sobre a LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais como uma língua natural, registrado na Lei Nº 10.436 de 24 de abril de 2002 e Decreto Nº 5.626/2005, respeitando os valores da Linguística e Cultura dos Surdos, respeitando a LIBRAS como primeira Língua de Sinais dos Surdos e a Língua Portuguesa como segunda, como também o direito por Escolas Bilíngues para Surdos.

A Lei de Acessibilidade concomitante à evolução das tecnologias provocou um interesse de criar equipamentos para melhorar a comunicação dos Surdos, por exemplo, surgiu a legenda ou Close Caption na televisão e a janela para intérprete de LIBRAS.

A tecnologia para comunicação à distância se tornou uma febre e os Surdos Brasileiros a aderiram, pois se comunicam pela mensagem tipo SMS e WhatsApp do celular, chat da internet e, hoje, com a chegada do videofone onde o Surdo pode se comunicar em LIBRAS com a Central de Intérpretes de LIBRAS que faz o serviço de interpretação em Língua Portuguesa – oral, mediando a relação com quem o Surdo deseja se comunicar facilita muito a vida das pessoas surdas.

De acordo com o presidente da Associação, atualmente, o maior desafio do Movimento Surdo é a luta em Defesa das Escolas Bilíngues para Surdos no PNE – Plano Nacional de Educação. “A nossa preocupação é oportunizar para as crianças surdas um espaço escolar que favoreça a construção da Identidade Surda e formação com a Cultura Surda em sua própria língua para evitar a extinção da nossa Cultura Surda da Língua de Sinais dos Surdos”, finalizou Sérgio.  

DSC 1571

A psicóloga da associação, Paula Sandra, em sua fala ressaltou a importância que todos os órgãos públicos e a sociedade brasileira reflitam sobre os Surdos, sobre o direito à informação e como Formiga conta com um grande número de pessoas com deficiência auditiva. “Nosso dever é seguir compreendendo os Surdos como cidadãos iguais aos outros, dando-lhes uma atenção mais justa e respeitando a Cultura Surda e a língua da Comunidade Surda”, ressaltou Paula.

%d blogueiros gostam disto: